Pontos de Luz: crianças e adolescentes vítimas de violência têm assistência em rede integrada

18 de maio de 2021 - 11:04 # # # # # #

Assessoria de Comunicação da Sesa
Texto:
Suzana Mont'Alverne
Artes gráficas: Francisco Oliveira


A violência contra crianças e adolescentes é um problema de saúde pública. No Brasil, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no ano de 2019, a cada oito minutos aconteceu um estupro, tendo como vítimas em aproximadamente 57% dos casos pessoas de até 13 anos. Neste 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) reforça o serviço da Rede Pontos de Luz, que promove acolhimento, orientação e assistência em tempo hábil a pessoas em situação de violência sexual e/ou doméstica.

>> Hias estrutura atendimento para crianças e adolescentes vítimas de violência sexual

A ampliação e o fortalecimento do serviço vêm sendo realizados pela Sesa e conta com equipamentos que atuam de forma articulada com diferentes setores, visando a auxiliar também na proteção e prevenção de novas situações de agressão. “Com relação a população de crianças e adolescentes, o Hospital Infantil Albert Sabin (Hias) integra a Rede Pontos de Luz, oferecendo pronto atendimento para esse público específico”, informa a médica ginecologista obstetra e assessora técnica da Saúde, Débora Britto.

Pontos de Luz

Mais de 22 mil mulheres e crianças foram vítimas de violência sexual em 2020, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. No Ceará, 721 notificações de violência sexual foram registradas no mesmo ano. A rede Pontos de Luz segue diretrizes que amparam tanto os profissionais de saúde quanto a mulher em situação de violência.

Os hospitais atuam como serviços de referência contam com pronto atendimento 24 horas por dia, todos os dias da semana. “Garantindo desde a atenção imediata ao evento — com acolhimento, profilaxias de ISTs [Infecções Sexualmente Transmissíveis], como HIV, contracepção de emergência etc, orientações sobre a rede de segurança e proteção social até o seguimento psicossocial e ambulatorial”, explica Débora.

Em ampliação, as policlínicas farão o acompanhamento psicossocial dos casos referenciados após passagem nos serviços de referência. “A ideia é que esses serviços de referência funcionem como porta de entrada aberta para pacientes que poderão procurar espontaneamente o serviço ou serem encaminhadas após admissão em outro serviço de saúde”, complementa.

Data marcada em memória de uma vítima

Determinado oficialmente pela Lei 9.970/2000, a data de 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Foi criada em memória da menina Araceli Crespo, que foi sequestrada, violentada e assassinada neste dia, aos 8 anos, em 1973.