Sesa realiza testagem de profissionais no aeroporto de Fortaleza

23 de julho de 2020 - 14:35 # # # #

Assessoria de Comunicação da Sesa
Repórter:
Débora Morais/ Estagiário: Levi Aguiar
Fotos: Carlos Gibaja/Governo do Ceará

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), disponibiliza testes de biologia molécula (RT-PCR) e sorologia para Covid-19 para funcionários da empresa administradora do Aeroporto Internacional de Fortaleza – Pinto Martins. A testagem está sendo realizada nesta quinta (23) e sexta-feira (24) pelas equipes que atuam nas barreiras sanitárias no terminal.

A iniciativa tem como objetivo monitorar a circulação do vírus no território cearense, além de conter e combater a contaminação de trabalhadores em locais com risco de contaminação. “A testagem é importante pois identifica, nas autoridades aeroportuárias e nas pessoas que estão prestando atendimentos no local, quais profissionais estão assintomáticas ou quem ainda está em fase de transmissão da doença” afirma a coordenadora de Vigilância Sanitária da Sesa, Dolores Fernandes.

A Sesa, por meio do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) e do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), realiza os testes de sorologia para identificar se as pessoas já tiveram a Covid-19 e exames de biologia molecular para descobrir se, por ventura, o profissional ainda está com o vírus e transmitindo a doença. Portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados existentes no país são considerados áreas com potencial de transmissão do coronavírus em decorrência fluxo de viajantes, da circulação de meios de transporte internacionais e nacionais e do transporte de cargas.

Pessoas que apresentam sintomas como febre, tosse, coriza, dor de garganta e dor de cabeça há pelo menos três dias devem realizar o teste de biologia molecular, que é feito nas unidade de saúde. O Lacen e o Hemoce,ambos da rede estadual, são responsáveis por analisar as amostras coletadas nos exames de biologia molecular e, em seguida, realizar o diagnostico laboratorial de Covid-19. O Trabalho conta, ainda, com o apoio da Universidade de Fortaleza (Unifor) e o Laboratório Argos.