Secretaria da Saúde mobiliza municípios para o controle da dengue

27 de outubro de 2009 - 14:13

A Secretaria da Saúde do Estado reúne nesta terça-feira, 27 de outubro, às 14 horas, no Auditório Waldir Arcoverde, na Avenida Almirante Barroso, 600, Praia de Iracema, secretários de Saúde e coordenadores municipais de dengue para orientar a elaboração dos planos de controle da dengue nos 34 municípios prioritários, aqueles que apresentam maior índice de infestação predial pelo mosquito transmissor. Os planos municipais terão como base a publicação “Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue”, do Ministério da Saúde, e deverão ser submetidos à CIB municipal (Comissão Intergestores Bipartite) até o mês de novembro e, à CIB estadual, até a segunda quinzena de dezembro, em sua última reunião do ano.

A publicação do Ministério da Saúde que vai orientar a elaboração dos planos municipais contém orientações para unificar as ações de vigilância e assistência em saúde para o combate à dengue em todos os Estados e municípios do país. Com a proximidade, no início do ano, do período de chuvas, que favorece a proliferação do mosquito transmissor, a Secretaria da Saúde mobiliza os 34 municípios prioritários em torno da organização dos serviços e das atividades de prevenção e controle.

Com base no documento, que reforça as diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD) da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério, os gestores estaduais e municipais devem organizar o trabalho de campo e da rede de atendimento ao paciente, facilitar o acesso da população às informações e dar agilidade ao controle da doença.

Com relação à assistência ao paciente, estruturação e organização dos serviços de saúde, a principal recomendação da publicação do Ministério da Saúde é para classificar o risco de cada paciente em quatro níveis, de acordo com a gravidade dos sintomas clínicos. Essa classificação será fundamental para definir o serviço de saúde que prestará atendimento ao paciente após a primeira consulta: dos casos mais simples, em unidades de atenção básica, aos mais graves, em hospitais com leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Sobre a vigilância epidemiológica, propõe mecanismos como a notificação online. A notificação oportuna possibilita a investigação rápida de casos e mortes suspeitas, desencadeando ações locais de controle e prevenção.

Nas ações de controle vetorial, terceiro ponto do documento, destaca-se o uso da legislação para orientar estabelecimentos privados, em caso de recusa da visita de agentes em imóveis fechados para controle de vetores do mosquito. Outro ponto diz respeito à adesão dos municípios para a realização Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), metodologia de monitoramento dos criadouros do mosquito transmissor da doença. O item também detalha as ações rotineiras de controle do vetor, com informações sobre métodos, equipamentos e insumos a serem utilizados. O trabalho integrado entre o Agente Comunitário de Saúde e o Agente de Controle de Endemias no território a ser trabalhado também é destaque das diretrizes deste componente.

De acordo com o último boletim da Secretaria da Saúde, o Ceará confirmou 4.505 em 110 municípios até o dia 23 de outubro. Foram confirmados, também, 20 casos de dengue hemorrágica, com cinco óbitos, e 19 casos de dengue com complicação, com 12 óbitos, um caso em investigação em Morada Nova e um óbito também em investigação em Maranguape.