lai

Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Notícias Diagnóstico precoce favorece tratamento de cardiopatias congênitas
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Diagnóstico precoce favorece tratamento de cardiopatias congênitas
Ter, 12 de Junho de 2018 17:12
alt

Nesta terça-feira, 12 de junho, Dia Nacional da Conscientização da Cardiopatia Congênita, o Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), do Governo do Ceará, ressalta a importância do diagnóstico precoce da cardiopatia congênita, um tipo de defeito na estrutura do coração, que surge nas primeiras oito semanas da gestação.

Considerada a doença congênita mais comum entre as crianças, a cardiopatia congênita é a terceira maior causa de morte de bebês antes de completar 30 dias, correspondendo a cerca de 10% das causas dos óbitos infantis e 20% a 40% das mortes decorrentes de malformações. A doença pode ser diagnosticada durante o pré-natal ou no período neonatal. “Na grande maioria dos casos, é possível fazer a correção definitiva”, orienta Klébia Castelo Branco, coordenadora da Unidade de Pediatria do HM, em relação ao diagnóstico precoce.

O Hospital de Messejana é referência norte e nordeste em cardiologia pediátrica, atendendo também pacientes de outros estados. Como é o caso da pequena Ariely Vitória, que veio de Paraú, Rio Grande do Norte, e chegou ao Hospital de Messejana, em Fortaleza, com apenas 15 dias de vida. Aos dois meses, ela foi incluída na fila de espera pelo transplante de coração. Ela nasceu com a síndrome do coração esquerdo hipoplásico, quando a maioria das estruturas no lado esquerdo do coração é muito pequena e pouco desenvolvida (hipoplasia) para fornecer o fluxo de sangue suficiente para as necessidades do corpo. Esse tipo de cardiopatia congênita é uma das mais graves e o tratamento cirúrgico convencional, indicado para as outras doenças, não apresentaria resultado. Assim, Ariely foi indicada ao transplante.

alt

O procedimento foi realizado em outubro de 2016. Atualmente, Ariely está com um ano e onze meses de idade e continua sendo acompanhada mensalmente pela equipe multidisciplinar do HM, realizando exames de rotina para atestar a sua recuperação. Acompanhada pela mãe Mirian da Silva Rocha, a menina é só alegria. “Ela é muito ativa, brinca, corre, aprende tudo rápido. Nós vivemos momentos de muita angústia, pois o caso dela era grave e a espera pelo órgão foi difícil. Mas agora, é uma felicidade muito grande vê-la tão bem. Só temos a agradecer a Deus, aos profissionais do hospital pelo diagnóstico precoce e, claro, à família doadora, pois sem o 'sim' deles a nossa história poderia não ter um final feliz”, lembra.
A doença

A cardiopatia congênita é uma mal formação estrutural ou funcional no coração que surge nas primeiras oito semanas de gestação - período característico de formação do coração do bebê – que altera o desenvolvimento embrionário cardíaco.
Diagnóstico precoce

É o fator principal para que a criança cardiopata possa receber o atendimento correto e no tempo necessário. Em casos de cardiopatias sem repercussão clínica (sem sintomas) o diagnóstico tardio tende a não comprometer o tratamento. Porém, em casos graves e/ou fatais, a descoberta ainda intraútero pode salvar a vida dos bebês, pois estes farão o tratamento logo após o nascimento. As principais formas de diagnóstico são: Ultrassom Morfológico; Ecocardiograma Fetal (ECG) e Teste do Coraçãozinho (Oximetria de Pulso). Uma vez identificadas alterações, o pediatra deve encaminhar o paciente ao especialista.




Fotos: Ascom/HM

Assessoria de Comunicação do Hospital de Messejana
Jessica Fortes
3101.4092
 

Calendário

Setembro 2018
D 2a 3a 4a 5a 6a S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6