lai

Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Notícias Hipertensão arterial não tem cura, mas tem controle
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Hipertensão arterial não tem cura, mas tem controle
Qui, 31 de Agosto de 2017 17:36
alt

Predisposição hereditária, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabagismo, obesidade, sedentarismo, estresse e uma alimentação rica em sal são alguns dos fatores de risco para a hipertensão arterial. Caracterizada pela elevação da pressão do sangue nas artérias, a doença aumenta consideravelmente o risco de infarto, AVC e de insuficiência renal terminal e precisa ser controlada, e para isso é fundamental o diagnóstico precoce. Referência em atendimento a pacientes hipertensos de alto e muito alto risco o Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão sinaliza para a importância da prevenção e do controle da doença. O melhor tratamento para todos os hipertensos é a mudança no estilo de vida, com a adoção de uma dieta balanceada, aliada à prática de exercícios e o uso correto dos medicamentos prescritos pelo médico.  

Na maioria dos indivíduos a hipertensão arterial é assintomática, mas há chances de ser percebida com dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido e visão turva. Recomenda-se que adultos meçam a pressão arterial a cada seis meses, principalmente pacientes que tem fatores de risco para a doença. As crianças não estão livres da doença e devem medir a pressão nas consultas com o pediatra. A hipertensão não tem cura, mas tem controle. “Uma vez controlada o paciente poderá viver muito bem e com qualidade de vida”, explica Marcela França, diretora clínica do CIDH.

Uma pessoa é considerada hipertensa quando os níveis de pressão arterial estão acima de 14 por 9 (≥ 140 e/ou 90mmhg). “Entretanto, para se evitar a hipertensão do jaleco branco, ou seja, o aumento da pressão arterial somente quando o paciente está na presença do médico, para se fazer o diagnóstico de hipertensão deve se ter, pelo menos, duas medidas de 14 por 9, em ocasiões diferentes”, explica Marcela.


Serviço no CIDH

O paciente de primeira vez vem encaminhado pelas Unidades Básicas de Saúde (postos) dos municípios. O usuário inicialmente passa pelo serviço de triagem da enfermagem e, apresentando o perfil de atendimento da unidade, que é de alto risco, é encaminhado para o atendimento médico. A unidade conta com uma equipe multidisciplinar, com médicos especialistas, além de dentistas, nutricionistas, fisioterapeutas e dentistas, e o encaminhamento para os serviços dependerá da avaliação feita. Vale lembrar que o CIDH é uma unidade secundária e oferece atendimento a pacientes com alto risco.

Também será encaminhado ao nutricionista, para orientações sobre os hábitos alimentares e ao fisioterapeuta, caso haja necessidade. Vale lembrar que os pacientes também serão atendidos na atenção primária, visto que a consulta no CIDH é complementar ao tratamento na atenção primária em saúde. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, de 7 às 17 horas.

Perfil do hipertenso

Segundo o Datasus, estima-se que haja 16.934.611 pessoas hipertensas no Brasil e que aproximadamente 10,0% delas apresentam complicações cardiovasculares. O CIDH foi sede e um dos temas de estudo da Agenda Cultural de Informação em Saúde (Acis) realizado pelo Núcleo de Gestão do Conhecimento, Informação e Pesquisa em Saúde (Nucips). O evento reuniu, no dia 30 de agosto, profissionais no auditório da unidade para a apresentação da tese de mestrado sobre o Acesso do Usuário Hipertenso à Atenção Especializada, ministrada pelo Mestre em Saúde Coletiva José Iran Oliveira das Chagas Júnior, que teve como foco o acesso dos usuários aos serviços de atenção especializada nos ambulatórios de cardiologia.

alt

Com uma abordagem quantitativa, a análise teve a adesão de 465 usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) com hipertensão e focou no acesso de usuários aos serviços de atenção especializada realizado nos ambulatórios de cardiologia em unidades de atenção secundária e terciária, como o Centro Integrado de Diabete e Hipertensão (CIDH), Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (Hospital de Messejana) , Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e Hospital Geral César Cals (HGCC). Com os dados coletados entre março e maio de 2016 foi traçado o perfil predominante dos usuários: idosos, sexo feminino e vindos de Fortaleza, Caucaia e Maracanaú. A análise mostrou ainda que 64,4% deles começaram o tratamento no serviço de cardiologia, mas desistiram após um ano nos serviços de atenção primária.

Outros dados importantes foram descritos na apresentação. A análise indicou ainda a distribuição dos usuários de acordo com as instituições participantes: 200 (43,0%) são atendidos no Centro Integrado de Hipertensão e Diabetes (CIDH); 110 (23,6%) no Hospital Geral de Fortaleza (HGF); 105 (22,5%) no Hospital de Messejana e 50 (10,7%) no Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC).

A apresentação contou com a presença da Diretora Clínica do CIDH, Marcela França, com a Coordenadora da Gestão da Educação Permanente em Saúde, Silvia Bomfim, e com o médico Policarpo Araújo, que auxilia nos processos da Comissão Coordenadora do Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica e do Mais Médicos.



Assessoria de Imprensa – CIDH/ Lacen/ IPC
Suzana de Araújo Mont'Alverne
(85) 3101-1488
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
 

Calendário

Novembro 2017
D 2a 3a 4a 5a 6a S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2